Últimas notícias de Caririaçu na WEB!

Loading...
A reprodução total ou parcial de qualquer texto deste blog, sem a permissão por escrito do autor, será considerado crime e o infrator (a) responderá processo judicial por infringir a lei de direitos autorais!

Translate

Pesquisar este blog

Carregando...

Seguidores

Gostou deste blog? Então por favor, compartilhe nas redes sociais! OBRIGADO!!!

sexta-feira, 28 de novembro de 2014

Os perfis falsos no facebook de Caririaçu



As redes sociais surgiram como ferramentas na rede mundial de computadores para que pessoas de diferentes locais do planeta possam trocar informações, conhecimentos, opiniões, ou seja, se comunicarem. Espaços como os finados MSN, Orkut e os ativos Facebook, Twitter, Instagram, Lindekin, MySpace e Google+, entre outras, fizeram e fazem muita gente “feliz” por aí.

Mas isso é no tempo presente, com o desenvolvimento da tecnologia, fica a pergunta: como serão as redes sociais no futuro? Algumas obras da literatura distópica sugerem que os usuários se logarão de corpo e alma num universo paralelo onde tudo é feito sob medida para cada usuário, tomando como base para isso, as informações que ele, querendo ou não fornecerá, para os administradores da rede. Para quem tem conhecimentos sobre informática e o universo dos negócios sabe que isso já começou.

A nossa gleba, por mais atrasada que seja em relação ao progresso, também tem usuários, e muitos, na segunda vida proporcionada no espaço virtual. Quando se anda pela cidade, dos sítios ao centro da cidade, da ralé à alta roda, é recorrente boa parte das pessoas, do nada, sem mais nem menos, falar em facebook, ou melhor, face. Não sei porque não se diz o nome completo, quiçá seja uma variação do profícuo culto à preguiça.

Nos perfis caririaçuenses tem gente de toda estofa, dos mais exibidos aos mais discretos, dos que postam tudo: fotos, frases peigas pesquisadas no Google, mensagens do seu Deus, posts que acreditam ser interessantes e até coisas extremamente íntimas, para conseguir muitos “curtir”, vale tudo. Existe também os que só observam, que estão lá, mas dificilmente são notados.

Mas não é desses que iremos falar sucintamente aqui. O que nos chama atenção há algum tempo são os perfis falsos no facebook. Também não vamos usar os trajes do bom mocismo e do falso moralismo, ser a palmatória do mundo, nas palavras de um deles, para distribuir impropérios a essas personalidades avessas do nosso torrão.

O que se destaca nesses perfis, além do anonimato, até certo ponto meio fajuto, é a sua maneira de ser, pensar e agir. Para quem pensa diferente dos seus preconceitos e da sua “cabala”, eles distribuem mais vitupérios do que cédulas de 50 reais dados por candidatos em época de eleição.

Esses perfis existem com um único fim: dar coice nos adversários políticos ou quem ouse contestá-los. Eis o fruto das nossas personalidades educadas para serem donas da verdade e não para discutirem os fatos.

Além de desmastrear a bandeira do respeito, tais perfis usam um “puxaquismo” que causa nojo. O seu senhor é o novo Messias mandado à terra de gigantes para semear a solicitude entre os povos, o que chama atenção é que esse Messias sempre é um empresário. Nada contra o empresariado, eles só são filhotes quase perfeitos do capitalismo, ou seja, acumuladores de patrimônio e ser um agente político é só mais um troféu que alimentará a sua vaidade.

O adversário é uma espécie de Cérbero que macula e ceifa as coisas boas que o “Messias Empresário” expele tão facilmente como suor e esterco.

Por falar nisso, lembro-me da citação de Erasmo de Roterdã no início de seu delicioso Elogio da Loucura (livro recomendável para todo mundo):


“...enquanto o modestíssimo homem fica a escutá-lo, o adulador ostenta penas de pavão, levanta a crista, modula uma voz de timbre descarado comparando aos deuses o homenzinho de nada, apresentando-o como modelo de todas as virtudes, muito embora saiba estar ele muito longe disso...”.


Tudo bem que Erasmo estava noutro contexto e se referindo a outras coisas, o que não impede de usarmos o seu axioma para ilustrarmos o nosso texto. A leitura dessa obra é mais do que recomendável, mas pelo que se observa nas parábolas desses perfis, através do seu assassinato a língua portuguesa e a sua gramática, eles não leem nem placas na rua, e quiçá estejam lendo este escrito, para procurar nas entrelinhas alguma coisa que possa ser usada contra esse escriba. Como já se disse, quem não aplaude os seus dogmas, deve ser vilipendiado para regozijo do seu senhor.

Facilmente é possível perceber duas razões para a existência desses perfis falsos. A primeira é que algum prócer político patrocine pessoas de sua confiança para agirem do jeito que agem. Agredir textualmente seus desafetos políticos. Um verdadeiro mecenas avessado. Enquanto um mecenas legitimo incentiva o desenvolvimento das artes, este mecenas daqui financia a difamação, o ódio, a intolerância e o preconceito.

A outra possibilidade, é a boa e velha servidão voluntária. Por amor ao seu príncipe, tais sujeitos o defendem de todas as acusações e suspeitas de má índole. Isso é uma atribuição peculiar de seu antagonista. Seu príncipe é o Messias reencarnado, o seu adversário político é o anjo das trevas que habita entre o povo de Caririaçu.

Como diz Paulo Nogueira, editor do sítio de notícias Diário do Centro do Mundo, num mundo menos imperfeito, as lideranças políticas de nossa terra seriam os primeiros a quererem saber quem são esses perfis, para assim extirpa-los e mitigar o ódio entre aqueles de seu povo que comunguem de ideias diferentes.

Será que eles, os nossos líderes políticos, pensam assim? Sim? Não? Por quê?

terça-feira, 30 de setembro de 2014

Coronelismo e seus torcedores!

                                                                                                               Por Marcelo Antonio



Estamos aqui numa cidade descontrolada fisicamente, mas controlada psicologicamente por senhores feudais que pouco se importam com os seus camponeses, que são encabrestados e recebem suas migalhas e acham que só isso basta. pensam que esse é o seu valor e estão satisfeitos, pois sua única preocupação é saber que seus antigos patrões perderam as terras numa guerra desleal para esse novo coronel e isso já é  motivo de extrema felicidade, pois estão do lado campeão, outros camponeses que são fiéis ao seu antigo senhor andam pelas ruas resmungando, cegos, torcendo para que o novo fazendeiro não saiba tomar conta das terras e nem dos seus números mesmo sem saber ou sabendo que os efeitos colaterais desses erros vão os atingir, pois vivem na mesma fazenda. Mas a sede de chegar ao trono da casa grande é muito maior, e isso tudo sabendo que o trono só vai ser ocupado apenas por um, e o resto irá ficar espremido no curral que é o lugar de quem são encabrestados e que receberam as migalhas prometidas, que continuarão com sede e com fome, mas com o ego cheio, pois estarão do lado do fazendeiro campeão novamente e isso é melhor que tudo.
E saindo do contexto da época do feudalismo desta cidade que também é minha onde ser ignorante é motivo de orgulho, ter um lado, um time pra torce uma bandeira para levantar e nada mais.
Podemos comparar com dois times rivais num campeonato de pontos corridos onde para seus torcedores o que importa é ver seu time campeão e não importa se pra isso o time roubou, comprou juízes (que nós somos). Nada disso importa, o que interessa é soltar da garganta o grito de ser campeão soltar fogos e desdenhar da derrota do time adversário. Um bando de imbecis que não se preocupam com nada, nem com eles mesmos, pois num campeonato quem sai no lucro é apenas os donos dos times e seus jogadores, torcedores coitados recebem apenas acenos nada mais do que isso.
Somos todos inteligentes, ninguém é melhor ou pior do que o outro. Não trate da política da sua cidade como um simples jogo, nós somos os patrões e eles os empregados, eles não fazem nada além da sua obrigação, vamos dar um basta nesse pão e circo, porque não dá para viver com essas migalhas e esse circo faz tempo que perdeu a graça.
Eu sei que essas palavras são utópicas, e tenho consciência de que só quando as massas saírem do sono da ignorância, essas palavras vão deixar de serem sonhos.